O segredo da longevidade? Tiros de 4 minutos de exercício intenso podem ajudar

Lifelong Learning - Inciativa premiada no Prêmio Euro - Inovação na Saúde


Incluir treinamento de alta intensidade em seus exercícios proporcionou melhor proteção contra morte prematura do que apenas exercícios moderados.


Essa possibilidade está no cerne de um novo e ambicioso estudo Noruegues sobre exercícios e mortalidade. O estudo, um dos maiores e mais longos exames experimentais até hoje sobre exercícios e mortalidade, mostrou que é relativamente improvável que homens e mulheres mais velhos que se exercitam de qualquer maneira morram prematuramente. Mas se algum desse exercício for intenso, o estudo também descobriu que o risco de mortalidade precoce diminui ainda mais e a qualidade de vida das pessoas aumenta.


Para descobrir se os exercícios afetam diretamente a expectativa de vida, os pesquisadores inscreveram voluntários em ensaios clínicos randomizados de longo prazo, com algumas pessoas se exercitando, enquanto outras se exercitam de maneira diferente ou nem um pouco. Os pesquisadores acompanharam todas essas pessoas por 5 anos.


Mais de 1.500 homens e mulheres noruegueses aceitaram participar do estudo. Esses voluntários eram, em geral, mais saudáveis ​​do que a maioria dos idosos de 70 anos. Alguns tinham doenças cardíacas, câncer ou outras condições, mas a maioria caminhava regularmente ou permaneceram ativos. Poucos eram obesos. Todos concordaram em começar e continuar a se exercitar com mais regularidade durante os próximos cinco anos.


Os cientistas testaram a aptidão aeróbica atual de todos, bem como seus sentimentos subjetivos sobre a qualidade de suas vidas e, em seguida, os designaram aleatoriamente para um dos três grupos. O primeiro, como controle, concordou em seguir as diretrizes de atividade padrão e caminhar ou permanecer em movimento por meia hora na maioria dos dias. (Os cientistas achavam que não podiam pedir eticamente ao seu grupo de controle para ser sedentário por cinco anos.)


Outro grupo começou a se exercitar moderadamente por sessões mais longas de 50 minutos, duas vezes por semana. E o terceiro grupo iniciou um programa de treinamento intervalado de alta intensidade duas vezes por semana, ou H.I.I.T., durante o qual eles pedalaram ou correram em um ritmo extenuante por quatro minutos, seguido por quatro minutos de descanso, com essa sequência repetida quatro vezes.


Quase todos mantiveram suas rotinas de exercícios designadas por cinco anos, uma eternidade na ciência, voltando periodicamente ao laboratório para check-ins, testes e exercícios em grupo supervisionados.


Após cinco anos, os pesquisadores verificaram os registros de óbitos e descobriram que cerca de 4,6 por cento de todos os voluntários originais faleceram durante o estudo, um número menor do que na população norueguesa mais ampla de 70 anos, indicando que essas pessoas mais velhas ativas estavam, no geral, vivendo mais do que outros de sua idade.


Mas eles também encontraram diferenças interessantes, embora mínimas, entre os grupos. Os homens e mulheres no grupo de intervalos de alta intensidade tinham cerca de 2 por cento menos probabilidade de morrer do que os do grupo de controle, e 3 por cento menos probabilidade de morrer do que qualquer um no grupo de exercícios moderados mais longos.


Os homens e mulheres no grupo de intervalo também estavam mais em forma agora e relataram maiores ganhos em sua qualidade de vida do que os outros voluntários.


Em essência, diz Dorthe Stensvold, pesquisador da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia que liderou o novo estudo, o treinamento intenso - que fazia parte das rotinas dos grupos de controle e intervalo - forneceu proteção ligeiramente melhor contra morte prematura do que exercícios moderados sozinho.


Claro, o exercício não foi uma panacéia, acrescenta ela. Algumas pessoas ainda adoeceram e morreram, qualquer que fosse seu programa de exercícios. (Ninguém morreu durante o exercício.) Este estudo também se concentrou em noruegueses, que tendem a ser anormalmente saudáveis.


Mas o Dr. Stensvold acredita que a mensagem do estudo pode ser amplamente aplicável a quase todos nós. “Devemos tentar incluir alguns exercícios de alta intensidade”, diz ela. “Os intervalos são seguros e viáveis ​​para a maioria das pessoas. E adicionar vida aos anos, não apenas anos à vida, é um aspecto importante do envelhecimento saudável e da maior aptidão física e qualidade de vida relacionada à saúde do H.I.I.T. neste estudo é uma descoberta importante.”


Quem quiser ler o artigo completo: https://www.nytimes.com/2020/12/23/well/move/high-intensity-exercise-workouts.html?referringSource=articleShare




Posts Recentes